Janeiro Dourado: médico do esporte esclarece dúvidas sobre a campanha

14 de janeiro de 22
1 / 1

Neste mês, é comemorado o Janeiro Dourado, uma campanha iniciada em 2015 pela Sociedade Paulista de Medicina do Exercício e do Esporte. A campanha é inspirada nas conscientizações do Outubro Rosa e do Novembro Azul e visa incentivar a prática segura de exercícios físicos, por meio de um acompanhamento multiprofissional, com o objetivo de proteger a saúde do esportista. O médico especialista em Ortopedia e Medicina do Esporte, José Martins, explica um pouco mais sobre a importância da campanha em entrevista.


- Por que janeiro e qual o significado da cor dourada para essa conscientização?


A referência a janeiro é por ser o primeiro mês do ano, que é uma época em que as pessoas decidem realizar mudanças no estilo de vida. E o dourado é em referência à medalha de ouro, não no sentido de que a campanha se preocupa apenas com atletas, mas sim que o ouro remete ao sucesso e, no caso da campanha, seria o sucesso em adquirir um estilo de vida mais ativo e saudável.


- Como é a campanha em Uberaba? Quais ações são desenvolvidas?


Através da ajuda do então ex-vereador Alan Carlos, em dezembro de 2017, conseguimos que essa campanha fosse aprovada como projeto de lei, que instituiu a Campanha Janeiro Dourado no calendário da cidade. Nos anos de 2018, 2019 e 2020 realizamos, com grande sucesso, no mês de janeiro de cada ano, eventos de atendimento médico voltado para o público esportista, além de um evento esportivo no último domingo do mês de cada ano. Em 2021 e, infelizmente, também no ano de 2022, por causa da Pandemia, não poderemos promover um evento semelhante, mas seguimos com campanhas de conscientização sobre a importância de se preocupar com a saúde do praticante de exercícios físicos.


-  Sabe-se que a procura por exercícios físicos tem aumentado cada vez mais. Qual é o papel, neste caso, do médico do esporte na rotina dessas pessoas?


O médico do esporte é o profissional que cuida da saúde global de todos aqueles que realizam ou pretendem iniciar exercícios físicos, com objetivos preventivos e também terapêuticos. É importante destacar que o exercício físico traz uma série de benefícios para a saúde das pessoas, mas se realizado de forma inadequada, pode acarretar patologias musculoesqueléticas e até levar a eventos graves, como a morte súbita. Por isso, é primordial o conhecimento de todos sobre essa campanha.


- Quais os principais agravantes que podem acometer aqueles que não possuem na rotina a realização de exames periódicos?


Para a pessoa que vai iniciar um programa de exercícios físicos, a busca inicial por uma avaliação médica tem como objetivo principal diagnosticar alguma particularidade que possa ser agravada durante a prática dos exercícios ou que possa contraindicar a realização de determinada modalidade esportiva. Essa avaliação médica inicial, junto com a avaliação do profissional de Educação Física, vai também nortear a pessoa quanto à melhor modalidade a ser praticada. Já para o esportista ou atleta, o acompanhamento médico periódico visa a garantia da manutenção de parâmetros fisiológicos adequados para a prática do exercício, o que automaticamente reflete na segurança de que essa prática está repercutindo de forma positiva para a saúde corporal, na prevenção de lesões e também na melhora da performance esportiva.


Além disso, não podemos nos esquecer de eventos graves que podem ser desencadeados por determinada prática esportiva, como a morte súbita. Esse evento é causado não só por patologias cardíacas (que podem ser congênitas ou adquiridas), mas também por causas metabólicas. Por isso, o acompanhamento médico é mandatório em qualquer pessoa que realize exercícios físicos.


- Para os praticantes de exercícios físicos regulares, a quais sinais/sintomas devem-se atentar para a busca imediata de assistência médica?


Para o esportista, que é um público que não visa a performance, a realização de exercícios associada com qualquer tipo de dor é um sinal de preocupação quanto à existência de alguma patologia sistêmica. Por outro lado, para o atleta profissional ou semiprofissional, devido principalmente ao grande volume de treinos e de competições, a dor torna-se um sintoma "fisiológico" que, na maioria das vezes, não é investigada, mas sim apenas tratada.


Além disso, de uma forma geral, achados clínicos que surgem ou são agravados com a prática de exercícios, como taquicardia anormal ao esforço, dispneia, tonturas, síncope ou pré-síncope, cefaleia de forte intensidade, dentre outros semelhantes são sinais de gravidade e que indicam a procura por um profissional médico com a máxima prioridade.


- Como é nosso ensino de Medicina do Esporte aos alunos?


O curso de Medicina da Uniube conta com a disciplina de Medicina Esportiva, que está inserida nos Estudos Dirigidos, coordenada pelo Professor Luís Carlos, no sétimo período. Ela tem o objetivo principal de apresentar esse universo da Medicina voltado para a prática de esportes e é ministrada por mim. Além disso, vale a pena destacar que o MPHU conta com um ambulatório voltado para o atendimento de patologias ortopédicas de atletas de Uberaba e região. Esse ambulatório funciona desde o ano de 2015 e conta com atendimentos de médicos residentes de Ortopedia do MPHU e dos alunos da Medicina do 12º período. Nesses sete anos de funcionamento, além de um grande número de atendimentos clínicos, já realizamos também centenas de cirurgias em atletas do município, o que diminuiu significativamente a fila de espera por uma cirurgia eletiva ortopédica nesse público.