Egresso de Gestão Ambiental desenvolve tecnologia para reduzir poluição plástica

23 de novembro de 21
1 / 1

O ex-aluno do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental da Uniube, William Oliveira, desenvolveu uma tecnologia que visa diminuir a poluição de plástico, por meio do uso da fécula de mandioca. O objetivo é produzir vários produtos sustentáveis, principalmente usados em delivery, e expandir a novidade para todas as regiões do país.


O nome criado para registro da nova tecnologia é LAIPI, sendo LA da palavra "fécula" e IPI da palavra 'aipin', que é a chamada mandioca em algumas regiões do país. "A fécula de mandioca é uma das melhores candidatas a competir com o plástico, que é um derivado do petróleo. Por isso, posso dizer que esta pesquisa é uma das mais importantes atualmente neste segmento pelo simples fato de ela ser altamente replicável e escalável, em qualquer lugar do mundo, praticamente", conta.


O primeiro produto a ser produzido será um copo de 80ml comestível, compostável e lixo zero. "Consegui desenvolver esta tecnologia que estou operando com base em pesquisas e informações. Ela possibilita fazer quase todo tipo de embalagens de uso único, como as que são muito usadas em delivery. É uma pesquisa que busca matéria-prima já existente, de fácil aquisição e com preço competitivo de mercado", explica o egresso.


O projeto teve início em 2018, ainda durante o curso de Tecnologia em Gestão Ambiental feito por Wiliam. "O curso foi para mim o início e o caminho certo para me desenvolver melhor como pessoa e ser um profissional cada vez mais preparado. A Uniube, com seu nível altíssimo de profissionais e um cuidado excepcional com todos os seus alunos, foi a base e o meu braço direito nesta trajetória. A conquista é a consequência de um trabalho bem feito da Universidade conosco", continua.


Ainda segundo o ex-aluno, a expectativa é grande com a pesquisa. "Posso dizer que sustentabilidade é de uma enorme importância e vital daqui para frente para todos nós. Logo virá melhorias no processo da minha pesquisa e, com a validação dos produtos, a sociedade e o meio ambiente serão beneficiados", finaliza Wiliam.